Interestelar (Interstellar)


Interestelar (Interstellar), suspense dramático e aventura de ficção científica escrito por Jonathan e Christopher Nolan e dirigido por Christopher Nolan, do intrigante Amnésia de da última trilogia “Batman”, 2014.

Enredo: “A geração de sua filha será a última a sobreviver na Terra; temos que pensar não como indivíduos, mas como espécie”. “Você pode ter que decidir entre ver seus filhos de novo e o futuro da raça humana.”. É o que o ex-astronauta da NASA, Cooper (Matthew McConaughey) escuta respectivamente do Professor Brand (Michael Caine) e de sua filha, a Dra. Brand (Anne Hathaway). Mas vem também da parte do professor um sinal de esperança, quando ele diz que “Nós acharemos um jeito. Sempre achamos…”

Levado por misteriosos sinais que aparecem no quarto da filha, Murph (Mackenzie Foy), a uma base secreta onde os Brand cuidam de um projeto para salvar a espécie humana da extinção, o habilidoso engenheiro Cooper, agora tornado fazendeiro, opta por deixar a monotonia sem perspectivas da vida em meio ao pó constante e às plantações de milho – as únicas que ainda parecem resistir às pragas que dizimam pouco a pouco as produções do planeta – e voltar a pilotar uma nave. E os Brand dependem de Cooper, o único piloto experiente ainda disponível, já que, no futuro distópico (mas nem de todo impossível) em que se desenrola a história, fazendeiros são mais importantes que engenheiros.

E assim, o jovem astronauta viúvo deixa os filhos pequenos, Murph e Tom (Timothée Chalamet), e o sogro (John Lithgow) e parte em busca de um objetivo maior. Na companhia da Dra. Brand, de Doyle (Wes Bentley) e de Romilly (David Gyasi), eles devem cruzar Gargantua, um “buraco de minhoca” próximo de Saturno que os levará a três possíveis destinos, cada um já visitado por um cientista como possível substituto para o planeta Terra. Mas faltam recursos para visitar todos e os dados que lhes chegaram sobre cada visita são insuficientes para uma decisão firme. Enquanto isso, na Terra, onde o tempo passa mais depressa, Tom (Casey Affleck), já adulto e casado, ainda tenta contato com o pai, ao passo que Murph (Jessica Chastain), agora uma cientista brilhante, ainda o odeia por tê-la abandonado. Mas tanto Cooper quanto Murph estão para descobrir algo que mudará sua visão sobre a missão e sobre a relação entre ambos.

Avaliação:

Primeiramente, vamos aos “buracos de verme” ou “buracos de minhoca”:

Conforme a Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Buraco_de_minhoca, acesso em: 22 nov. 2014), “Buracos de verme intra-universos conectam um local em um universo a outro local do mesmo universo (no mesmo tempo presente ou não presente). Um buraco de verme deverá ser capaz de conectar locais distantes no universo criando um atalho através do espaço-tempo, permitindo viajar entre eles mais rápido do que a luz levaria para transitar pelo espaço normal.
O nome “buraco de verme” vem de uma analogia usada para explicar o fenômeno. Da mesma forma que um verme que perambula pela casca de uma maçã poderia pegar um atalho para o lado oposto da casca da fruta abrindo caminho através do miolo, em vez de mover-se por toda a superfície até lá, um viajante que passasse por um buraco de verme pegaria um atalho para o lado oposto do universo através de um túnel topologicamente incomum.

Ou, conforme o site Ciências e Tecnologia (https://cienciasetecnologia.com/buraco-de-minhoca/, acesso em: 22 nov. 2014): “Um buraco de minhoca é uma passagem teórica através do espaço-tempo que pode criar atalhos para viagens longas em todo o universo… Em 1935, os físicos Albert Einstein e Nathan Rosen usaram a teoria da relatividade geral de propor a existência de “pontes”, através do espaço-tempo. Esses caminhos, chamado de Pontes de Einstein-Rosen ou buracos de minhoca, ligam dois pontos diferentes no espaço-tempo, teoricamente, criando um atalho que poderia reduzir o tempo de viagem e distância.”

Imagino que os irmãos Nolan tenham bebido algo na fonte do excelente “Contato”, o best-seller do saudoso Carl Sagan (criador da série “Cosmos”). Os wormholes são uma constante em “Contato” e novamente em “Interestelar”. O livro de Sagan gerou um filme homônimo muito bom, mas não tão empolgante como o livro. Já os irmãos Nolan geraram uma obra-prima.

O filme começa em tom dramático, incorpora aventura e ação, mas o fio condutor – e aí a beleza da obra – é a relação do protagonista com sua filha, a dúvida sobre o abandono pelo pai e as perspectivas cada vez menores de que Cooper (McConaughey) possa vir a revê-la.

Há pequenas intervenções de humor, proporcionadas pelos robôs TARS (voz de Bill Irwin) e CASE (voz de Josh Stewart), que, além de uma personalidade “humana” capaz de humor e de insinceridade, são uma obra-prima da engenharia (apesar de sua aparência de caixotes desengonçados).

A crítica negativa mais pertinente que li é a de que as teorias científicas apresentadas são muito complexas; mas discordei quanto a dizerem que se gasta muito tempo nelas. Pelo contrário, deveriam ter dado ao consultor científico, o genial Kip Thorne, mais liberdade para expandir as explicações. Eu, que adoro a questão dos wormholes e dos universos multidimensionais, boiei em vários trechos. Mas isso em nada impede ser hipnotizado pelas quase 3 h do filme, que acabam até sendo curtas demais.

Talvez meu melhor filme do ano e certamente um dos melhores que já vi em minha vida. Para arrematar, a fantástica trilha sonora de Hans Zimmer, imprescindível para dar ao filme o clima de tensão e envolvimento.

O melhor dos trailers que vi foi este:
http://www.youtube.com/watch?v=BYUZhddDbdc” title=”Interestelar-trailer”

Anúncios

Sobre Roberto Blatt

Sou formado em Engenharia Eletrônica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (POLI-USP), tenho M.S. in Computer Systems and Information Technology pela Washington International University e MBA em Administração de Empresas pela FGV. Tenho mais de 25 anos de experiência profissional na área Administrativa Financeira, desenvolvidos em empresas nacionais e multinacionais dos segmentos automotivo, eletroeletrônico e serviços, vivenciando inclusive o start-up, dentro dos aspectos administrativos e financeiros e tendo atuado na gestão de equipes das áreas Administrativa, RH e Pessoal, TI, Financeira, Comunicação e Compras. Professor no Pós-Admn da FGV em Liderança & Inovação e Gestão de Pessoas. Para acessar meu blog com comentários e críticas sobre cinema, cliquem aqui ou, para artigos sobre Administração, Tecnologi a eresenhas de livros, em aqui .
Esse post foi publicado em Ação, Aventura, Épico, Drama, Ficção Científica, Filmes, Suspense e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Interestelar (Interstellar)

  1. Miss P.Y disse:

    Adorei sua critica. Também teria gostado de mais explicações científicas… Realmente.. Não se sente as 3 hs. Bjs

  2. Pingback: A Chegada (Arrival) | Blog do Roberto Blatt (Roby)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s